Warning: Creating default object from empty value in /home/super084/public_html/untitled/wp-content/themes/freshnews/functions/admin-hooks.php on line 160

A Crucificação (desnecessária) de Lana Del Rey

8 de março de 2012

Cultura

Ainda estou tentando entender o que aconteceu naquele fatídico 15 de janeiro. Nem parece que dois meses já se passaram. Lana Del Rey, a mais nova promessa do cenário musical, fez uma apresentação desastrosa no famoso Saturday Night Live. Minutos após o fim de sua performance, a internet era bombardeada com críticas à cantora. “Fraude” e “fabricada” descrevem bem o sentimento geral. E, depois de muito refletir, vim aqui defender a cantora, cujo nome de nascimento é Elizabeth Grant.

Antes, uma pequena biografia da moça, direto do Wikipédia:

“Elizabeth Grant, filha do milionário Rob Grant, nasceu em Nova Iorque em 1986, tendo crescido na cidade Lake Placid. Para dar início a sua transformação de Liza Grant para Del Rey, ela se mudou para Londres e passou 2010 tendo reuniões com as gravadoras que recusaram seu trabalho. No início da sua carreira o seu representante escolheu o nome artístico “Lana Del Rey”. (…) O seu nome artístico foi inspirado na combinação dos nomes da atriz Lana Turner e o Ford Del Rey.”

Até aí, nada muito diferente de muitos cantores que conhecemos. Madonna se chama Veronica; Katy Perry é, na verdade, Katy Hudson; Judy Garland era Frances Ethel Gumm. Quase todos artistas que conhecemos criaram um alter-ego para dar um impulso na carreira.


Outra coisa que gera controvérsia é a aparência de Lana. Seu cabelo é tingido e tem aplique. Sua boca é um mar de colágeno (ela jura que não, mas sabe como são essas celebridades). Ok, e daí? Madonna já usou lentes de contato azul, Katy Perry tem cabelo azul (por enquanto) e Cher fez um milhão de cirurgias plásticas.

 

Depois da desastrosa apresentação – que aconteceu antes do lançamento do seu primeiro CD – fiquei pensando por que uma cantora tão ruim se sujeitaria a cantar ao vivo em um programa de tamanha repercussão. Pesquisei outras apresentações ao vivo e fiquei aliviada. Lana, Lizzy ou Elizabeth, a moça sabe cantar sim. Será que ela foi mesmo a pior convidada musical da história do programa? Longe disso! Por quê ninguém parou para se perguntar se alguma coisa estava errada? Talvez nervosismo? TPM? Acordou do lado errado cama? Não. Foi mais fácil julgar e chamá-la de fabricada. Lana Del Rey é fabricada, sim, como muitos outros nesta indústria. Mas tem talento. E merece mais uma chance.

Born to Die (2012)

Lana Del Rey e seu álbum “Born to Die” não saem do repeat no meu iPod. O que foi uma surpresa até para mim.

Quanto estourou na internet com “Video Games” e “Blue Jeans”, não dei muita atenção. Achei a música chatinha e desisti. Mas, com toda a publicidade, fiquei curiosa com o que estava por vir. Foi aí que apareceu o single “Born to Die”. Não deu. Apaixonei. Não via a hora de ouvir o álbum todo. Quando ele finalmente saiu, não tive dúvidas: era sensacional. Escuto pelo menos uma vez ao dia. Decorei 90% das letras. Já reconheço a melodia. Sem perceber, me pego cantarolando “Off to the Races” e “National Anthem”.

Lana Del Rey – Blue Jeans (Ao Vivo no Saturday Night Live)

Minha mãe, que não é lá muito fã desses novos cantores, adorou também. Vive me perguntando quem está cantando e soltou “ela tem uma voz bonita. Não sei o que ela está falando, mas a música é gostosa de se ouvir”.

Fica a dica.

ASSINE A UNTITLED!
Cultura geek de verdade!

 

, ,

About Hanna Liis-Baxter

Uma verdadeira rainha do drama. Vinte e poucos anos. Um pouco complexa. Marylin Monroe vibes. Personalidade Bette Davis + Mae West. Tão apaixonada por musicais quanto Judy Garland. Tão apaixonada por Givenchy quanto Audrey Hepburn. Jornalista no diploma, Escritora no coração e Diva da Era de Ouro de Hollywood na alma.

View all posts by Hanna Liis-Baxter

3 Responses to “A Crucificação (desnecessária) de Lana Del Rey”

  1. Tereza Machado Says:
    Gostei de seu texto, leve e bem gostoso de ser lido. Parabéns!
    Quanto à cantora, assisti o vídeo que colocou, confesso que não a conhecia, mas gostei da apresentação.
    Boa defesa,por vezes, endossam uma crítica, apenas para se dizerem atualizados, sempre “alerta” às novidades, nem sempre resulta daí algo verdadeiro ou justo.
    Muitas vezes pergunto a pessoas conhecidas porque, por exemplo, compartilharam algo que eu mesma tenha achado meio estranho, que jamais compartilharia (FACE), resposta de algumas dessas pessoas: – Não sei, sei lá. me deu vontade.
    Pois é, e assim, muitas vezes, uma crítica é “engrossada” rapidamente, puxada por alguns que adoram ser construtores de opinião.

    Reply

  2. Jenifer Says:
    O nome verdadeiro da Madonna não é Veronica, é Madonna. =P

    Reply

Leave a Reply