A Guerra dos Contos de Fada: Mirror Mirror – A Branca de Neve Alternativa

17 de julho de 2012

Cultura

Lily-Collins-Mirror-Mirror-2012-600x450

Frustração define. Eu, que era uma das poucas pessoas no mundo que estavam empolgadas em assistir esse filme, fiquei bem triste com o resultado final. Assim como seu primo, “Branca de Neve e o Caçador”, “Mirror Mirror” é um filme que só funcionou no trailer. Explico: as melhores cenas estavam todas lá. Ponto final.

Mas vamos nos situar aqui, ok? Se você ainda está meio perdido, deixe-me descomplicar: “Mirror Mirror” é um filme baseado livremente na história da Branca de Neve e os Sete Anões. Foco no “baseado livremente”. Eis o roteiro: Lily Collins vive a princesa exilada Branca de Neve e é perseguida pela Rainha Má (Julia Roberts), que governa o reino sem piedade. Na sua luta para conquistar o trono a que tem direito, e também para ganhar o coração do príncipe encantado (Armie Hammer), Branca de Neve contará com a ajuda dos leais e destemidos sete anões nessa aventura fantástica cheia de romance, rivalidade e muito humor.

Por onde começar? Já sei. A história. Baseado livremente é a palavra-chave, como já frisei acima. Na minha humilde concepção, quando você vai fazer alguma coisa baseada em outra, alguns pontos são cruciais. Você pode mudar completamente o rumo, mas o que realmente importa, a marca registrada, a alma de história, tem que estar lá. Exemplo: não adianta reescrever Chapéuzinho Vermelho sem o lobo mau. Cinderella sem o sapatinho de cristal, Branca de Neve sem…. Calma, não vou dar spoilers! Vai lá assistir o filme que você vai me entender. Essa foi a primeira bola fora em minha opinião.

Engraçado que quando você acha que tá quase lá, pronta para ver os créditos subirem, vem um numero musical bizarro e te deixa com uma cara de “Que p**** é essa?”. Foi um típico momento de vergonha alheia. Ainda estou tentando entender no que o diretor estava pensando.

 

O elenco. Esse foi o menor dos meus problemas. Acho Lily Collins linda, fofa e a perfeita Branca de Neve. Julia Roberts é… Julia Roberts. Eu não tenho nada contra atriz. Mas aqui o negócio tá meio complicado. Julia, que sotaque é esse? A língua inglesa é meu segundo idioma e eu não consegui descobrir de onde você veio! Inglaterra? Austrália? Irlanda? Terra do Nunca? Oops, filme errado.

Armie Hammer, o nosso príncipe encantado, é bonito sim, mas não me cativou. Vai entender. Os anões são as estrelas aqui. Adorei cada um deles. Parabéns aos atores. Deram o tom certo. A única coisa que realmente encheu meus olhos foi o figurino. Belíssimo. Digno de um conto de fadas.

Enfim, é ótimo para uma sessão da tarde em um domingo chuvoso – que foi exatamente o que aconteceu aqui em casa. Prepare o balde de pipoca, um guaraná e se deixe levar. Esse é o meu conselho de telespectadora.

Mirror Mirror (2012)
Diretor: Tarsem Singh
Duração: 106 minutos

 

, , , , , ,

About Hanna Liis-Baxter

Uma verdadeira rainha do drama. Vinte e poucos anos. Um pouco complexa. Marylin Monroe vibes. Personalidade Bette Davis + Mae West. Tão apaixonada por musicais quanto Judy Garland. Tão apaixonada por Givenchy quanto Audrey Hepburn. Jornalista no diploma, Escritora no coração e Diva da Era de Ouro de Hollywood na alma.

View all posts by Hanna Liis-Baxter

No comments yet.

Leave a Reply